• English
  • Português
Share |

CEAACP

Centro de Estudos em Arqueologia, Artes e Ciências do Património

Unidade de Investigação 281

Coordenadora
Maria da Conceição Lopes

Áreas científica
Humanidades e Artes – História e arqueologia
Humanidades e Artes – Artes (história da arte, teatro, música)
Humanidades e Artes – Outras humanidades

Palavras-chave
Arqueologia, Artes, Arquitetura, Paisagens históricas urbanas, Arqueogeografia, Património Cultural

Instituições Participantes

Instituição de gestão principal
Universidade de Coimbra (UC)
e-mail: ceaucp@ci.uc.pt
http://ceaacp.uc.pt

Outras Instituições de Gestão
Campo Arqueológico de Mértola (CAM)
Universidade do Algarve (UAlg)

Instituições Parceiras
Instituto Politécnico de Viseu (IPV)
Universidade Aberta (UAberta)
Universidade do Algarve (UAlg)
Universidade de Évora (UE)
Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto (FBA/UP)
CÔA PARQUE - Fundação para a Salvaguarda e Valorização do Vale do Côa (FCP)
Direção-Geral do Património Cultural (DGPC)
Direção Regional de Cultura do Algarve (DRCAlg)
Sonae SGPS, S.A. (Sonae)

Descrição geral da Unidade de Investigação

O CEAACP evoluiu, científica e institucionalmente, a partir do CEAUCP, unidade de investigação criada em 1993 por docentes das Universidades de Coimbra (UC) e do Porto (UP). De 2007 a 2013, o CEAUCP passou a acolher também investigadores em Arte, do Campo Arqueológico de Mértola (CAM), da Universidade de Évora, da Faculdade de Belas Artes do Porto, do Instituto Politécnico de Viseu, da Universidade Aberta e investigadores de diversos museus, municípios e empresas. Eles fizeram do CEAUCP uma unidade multidisciplinar, atuando nas áreas da Arqueologia, Artes, Arquitetura e Patrimônio. Em 2013, ocorreu uma grande reestruturação do CEAUCP, que passou também a acolher investigadores da Universidade do Algarve (UAlg). A partir daí, a unidade muda de nome para CEAACP. Devido a questões institucionais, durante o ano de 2014, alguns docentes da Universidade do Porto abandonaram o CEAACP. No entanto, os pesquisadores pós-doutorados continuaram trabalhando na unidade. Atualmente, o CEAACP acolhe 39 investigadores doutorados (4 bolsas de pós-doutorado), 22 alunos de doutoramento (14 bolsas), 3 bolsas BIC, 1 bolsa BCG e 27 colaboradores.

O CEAACP está estruturado em 3 Unidades Gestoras (UG): Universidade de Coimbra, Campo Arqueológico de Mértola e Universidade do Algarve, sendo a Universidade de Coimbra a unidade principal, embora as três estão unidas por fortes laços de solidariedade. No entanto, cada uma delas tem autonomia para organizar os seus investigadores e gerir os seus assuntos institucionais e de investigação. Cada UG tem um coordenador, eleito pelos seus membros, que representa os interesses e projetos do CEAACP na sua instituição. Acima destes coordenadores, existe um Coordenador Geral (CG) pertencente à Unidade de Gestão principal, que é eleito pelo Conselho Científico no qual participam todos os doutorandos integrados do Centro.

Essa estrutura flexível permite a circulação de informações entre os membros do CEAACP de diferentes Unidades Gestoras. Também desafia os membros a participarem nas atividades de uns nas dos outros, por exemplo, em projetos de investigação específicos; exposições, algumas das quais exigem uma forte dinâmica de colaboração envolvendo diretamente as comunidades locais; a disseminação do conhecimento à medida que a pesquisa se desenvolve; a co-organização de eventos científicos nacionais e internacionais; a publicação de livros e revistas; a troca de recursos entre projetos para garantir a internacionalização e sustentabilidade de todos os membros, em especial dos investigadores mais jovens, cujo trabalho tem vindo a inovar a investigação tradicional.

Esta dinâmica permitiu o desenvolvimento de diferentes atividades, mesmo sem o financiamento da FCT derivado dos resultados da avaliação de 2013. Em 2016, a FCT e o CEAACP iniciaram um Programa de Reestruturação (PR). O RP tem proporcionado condições para testar rigorosamente a dinâmica da organização interinstitucional do CEAACP e apurar a estratégia científica, na qual tem promovido: uma forte componente laboratorial, nomeadamente com a utilização e aplicação de novas tecnologias na aquisição, curadoria, análise e disseminação de dados; a formação avançada e a atração de jovens investigadores para programas de doutoramento nacionais e internacionais. O PR permitiu afinar os mecanismos e as condições para a realização de atividades interdisciplinares e garantiu a pertinência e o reforço da missão do CEAACP, tanto a nível nacional como internacional.

Entre 2013 e 2017, o CEAACP privilegiou 3 grandes áreas de investigação: arquivos da terra, territórios das artes e práticas patrimoniais, desenvolvendo uma investigação multidisciplinar entre a arqueologia, as artes, a arquitetura e o património. As atividades do CEAACP têm um impacto nacional e internacional, contribuindo para o diálogo entre as comunidades locais e supralocais, e promovendo o património como disseminador do conhecimento, do desenvolvimento socioeconómico e do diálogo cultural. Estas atividades têm sido desenvolvidas com ou sem recursos da FCT e têm reforçado as relações entre o CEAACP e os diferentes stakeholders. Nos anos seguintes, o CEAACP está a manter essa orientação da investigação, garantindo seu impacto cultural, social e econômico.

Projeto Estratégico de Investigação 2020-2024 (UIDP/00281/2020 e UIDB/00281/2020)

Resumo do Plano de atividades

O CEAACP é um coletivo interinstitucional que enquadra polos nas Univ. de Coimbra e Algarve e no Campo Arqueológico de Mértola, a que se juntam investigadores doutorados singulares vindos de várias instituições, dando à Unidade uma escala suprarregional de representação e atuação. Profundamente comprometido com a produção de conhecimento inteligente, inovador e empenhado na promoção de sociedades inclusivas e criativas, a U&D, apresenta-se como uma estrutura altamente habilitada para dinamizar investigação sobre o passado alicerçada na Arqueologia, História da Arte, Arquitetura e Arqueogeografia e na valorização e promoção do património como alavanca de desenvolvimento qualificado e sustentável.

Paisagens e contactos são as palavras-chave que conjugam a investigação das áreas temáticas transversais que a U&D privilegia neste projeto estratégico. A paisagem no sentido global de territorialidade enquadrante do devir das sociedades, cuja abordagem invoca a leitura da dinâmica espácio temporal de longa duração dos factos da sua construção, empresta à Arqueologia e à Arte leituras mais ousadas que as cronológicas e realça o presente como espaço-tempo herdeiro de um longo percurso de formação invocando práticas patrimoniais de preservação e valorização. As paisagens Históricas, assumidas como heranças territoriais presentes, constituem um superior objeto de investigação multidisciplinar, transcultural e transnacional, enquanto se afirmam como um património qualificado.

Os contactos, na sua dimensão cultural, como fenómenos de matriz diversa, em razão das condições de maior ou menor liberdade e espontaneidade que os caracteriza e das geografias e dos tempos em que ocorrem, surgem como protagonistas de processos riquíssimos de dinâmica cultural em que o impensado dos fenómenos de hibridação, assume papel relevante na compreensão das novas expressões culturais identitárias de natureza miscigenadas. A parcialidade da sua representação na historiografia convoca a um recurso aos arquivos da terra para escrever a história dos homens que a escrita não considerou e os trânsitos culturais que ela não contemplou. No contexto de reconfiguração do mundo, nomeadamente da Europa, a compreensão histórica integrada dos processos de contactos culturais contribui de modo relevante para as políticas de integração e inclusão.

As paisagens históricas urbanas e os rios como infraestruturas culturais são contextos superiores para abordagens comparativas e multidisciplinares, nas quais cultura e meio ambiente se cruzam de modo interligado num complemento ativo de sustentabilidade contemporânea em associação com as comunidades.

O Património é inerente e coerentemente cúmplice desta associação. O entendimento de que o que o homem foi construindo ao longo do tempo é uma herança patrimonial que pertence ao presente que coletivamente dele é o herdeiro e fiel depositário, é uma exigência de coerência potenciá-la como alavanca de desenvolvimento ao serviço das comunidades.